terça-feira, 14 de abril de 2015

Podemos Estar à Beira de Uma Extinção em Massa


É um dos mistérios mais duradouros da ciência: o que causou a pior extinção em massa na história da Terra? E, não, não estamos falando daquilo que dizimou os dinossauros.

Cientistas afirmam que enormes quantidades de dióxido de carbono expelido por erupções vulcânicas colossais na Sibéria podem ter tornado os oceanos do mundo perigosamente ácidos 252 milhões de anos atrás, ajudando a impulsionar uma calamidade ambiental global que matou a maioria das criaturas terrestres e marítimas.

Os pesquisadores estudaram rochas nos Emirados Árabes Unidos, que estavam no fundo do mar na época e continham um registro detalhado das mudanças das condições oceânicas no final do período Permiano.


Repetindo o erro

“Este é um dos poucos casos em que fomos capazes de mostrar que um evento de acidificação do oceano aconteceu”, afirma Rachel Wood, geocientista da Universidade de Edimburgo, na Escócia.

“Isso é significativo porque acreditamos que nossos oceanos modernos estão se tornando ácidos de forma semelhante”, acrescenta Wood. “Estes resultados podem nos ajudar a entender a ameaça que isso representa para a vida marinha”.

Várias hipóteses foram aventadas para explicar a extinção em massa que superou até mesmo aquela causada pelo impacto de um asteroide que dizimou os dinossauros e muitos outros animais 65 milhões de anos atrás. Os pesquisadores dizem que a acidificação dos oceanos sempre foi uma suspeita, mas nenhuma evidência direta havia sido encontrada até agora.

Erupções maciças que formaram uma imensa região de rocha vulcânica chamada Siberian Traps representaram um dos maiores eventos vulcânicos do passado há meio bilhão de anos, com duração de um milhão de anos e que abrange a fronteira entre os Períodos Permiano e Triássico.


60 mil anos de extinção

As quantidades prodigiosas de dióxido de carbono a partir das erupções tiveram consequências terríveis para a vida marinha e terrestre. A absorção de dióxido de carbono mudou letalmente, mas temporariamente, a composição química dos oceanos. A extinção em massa resultante se desenrolou ao longo de um período de 60 mil anos, dizem os pesquisadores.

Os trilobites e os escorpiões do mar – habitantes dos mares por centenas de milhões de anos – estavam entre as muitas criaturas marinhas que desapareceram. Animais terrestres enfrentaram o aquecimento global e uma secagem geral do clima. A maioria dos répteis semelhantes a mamíferos morreram, com exceção de algumas linhagens, incluindo os que foram os ancestrais dos mamíferos modernos, como seres humanos. A extinção em massa também abriu o caminho para os primeiros dinossauros, cerca de 20 milhões de anos depois.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Dicas e sugestões serão bem vindas. Fique à vontade para comentar