sexta-feira, 4 de julho de 2014

5 Tesouros Perdidos Pelo Mundo


Quem nunca sonhou em encontrar um tesouro perdido em alguma praia ou caverna? Por mais que isso pareça fantasioso depois de vermos tantas histórias em livros e filmes, a verdade é que existem muitos tesouros que foram realmente perdidos e ninguém sabe onde estão. 

Pra onde eles foram? O que aconteceu com eles? Talvez nem Indiana Jones saiba dizer, mas veja aqui uma lista de 5 tesouros que estão por aí e você provavelmente nunca vai achar.

A espada Kusanagi

Seu nome completo é Kusanagi-no-Tsurugi, como é popularmente conhecida no Japão, mas também é chamada de Ama-no-Murakumo-no-Tsurugi ("Espada que Colhe as Nuvens do Céu"). Para se ter ideia de sua importância, a Kusanagi está para o Japão assim como a Excalibur para a Grã-Bretanha. 

A espada era usada em um ritual de ascensão cada vez que um novo imperador era coroado e era considerado um dos três Tesouros Imperiais do Japão. Segundo a mitologia, a espada foi encontrada no corpo de uma serpente de oito cabeças, decaptada pelo Deus japonês Susanoo. 

Acredita-se que a original esteja em Atsuta Shrine, em Nagoya, no Japão e uma cópia seja usada em seu lugar. No entanto, a espada original de verdade está perdida no fundo do oceano desde a batalha no século 12, o que significa que a espada guardada em Atsuta Shrine seja na verdade uma cópia, e a espada usada hoje seja apenas a cópia de uma cópia.

Maxberg Specimen

Apenas 11 fósseis relativamente completos de Archaeopteryx foram encontrados até hoje. A Archaeopteryx é um animal que poderia ajudar a estudar a evolução das espécies, já que é uma espécie de transição entre os dinossauros e as aves. 

O fóssil Maxberg Specimen recebe o nome do Museu Maxberg, onde ficou exposto durante alguns anos depois de sua descoberta, em 1956. Seu dono era Eduard Opitsch. Na época que foi descoberto, era apenas o terceiro encontrado na história. 

Opitsch tinha a ideia de vender o fóssil, que tinha um alto valor na época para estudos. Mas ao descobrir que teria que pagar impostos pela venda, decidiu removê-lo do museu e escondê-lo em casa. Ele ficou lá escondido até sua morte. Seu sobrinho tentou encontrá-lo, mas nunca conseguiu. Até hoje ele permanece desaparecido.

A Câmara de Âmbar

O âmbar é uma resina fóssil usada em objetos ornamentais. Mas imagine que ao invés de objetos, ela tenha sido usada para criar uma câmara inteira. O resultado é parecido com o da imagem acima. 

A câmara de âmbar perdida media 1.021 m2 e possuía painéis enormes nas paredes com cerca de 6 toneladas de pastilhas de âmbar, além de espelhos com molduras douradas e outros detalhes incríveis. O âmbar foi incrustado com joias preciosas e a sala ainda hospedava valiosas coleções de arte russa e prussiana. Criada por ordem do rei da Prússia, Frederico 1º, em 1716, era considerada a oitava maravilha do mundo por aqueles que a viram. 

Em 1941, com a ameaça nazistas, os guardiões da Câmara a pilharam e a transferiram para Königsberg. Contudo, com o caos que se seguiu com o conflito, toda a decoração foi desmontada novamente e, em abril de 1945, quando Königsberg se rendeu, a Câmara não foi encontrada em lugar algum. Seu paradeiro ainda é desconhecido até os dias de hoje. 

Felizmente, a Câmara de Âmbar foi recriada. O projeto iniciou-se em 1976 e ficou pronto apenas em 2003. Hoje a nova Câmara fica no Palácio de Catarina.

Os tesouros de Lima

Toda lista de tesouros perdidos precisa ter um pouco de pirataria, certo? Que tal um tesouro com 113 estatuetas religiosas de ouro, 200 caixas de joias, 273 espadas com punhais de joias, 1.000 diamantes, duas estátuas de ouro em tamanho real de Maria segurando Jesus, coroas de ouro sólido, 150 cálices e centenas de barras de ouro e prata? 

É possível que este tesouro esteja enterrado e perdido nas Ilhas Cocos, no Oceano Índico (próximo a Costa Rica), valendo algo como US$ 300 milhões. A história conta que o tesouro foi confiado a William Thompson pelo vice-rei de Lima, para que fosse transportado para algum lugar seguro no México, uma vez que a cidade do Peru estava à beira de uma revolta. 

Mas parece que Thompson não aguentou a tentação e, quando o navegou ficou fora da vista da costa, ele matou os guardas peruanos e navegou até as Ilhas Cocos, onde supostamente ele e seus homens enterraram o tesouro. Para o azar deles, no entanto, a tripulação foi capturada e julgada por pirataria. 

Para salvar sua vida, Thompson e seu imediato prometeram levar o tesouro de volta à Espanha, mas conseguiram fugir no meio da floresta e assim, Thompson e seu imediato nunca mais foram vistos, assim como o tesouro escondido.

O tesouro Azteca

Em 30 de junho de 1520, Hernan Cortés e seus soldados haviam assassinado o imperador Montezuma, quando foram cercados por uma população azteca furiosa e foram presos. A noite, Cortés e seus homens tentaram fugir, carregando quantidades enormes de ouro saqueado dos aztecas. 

Avistado pelos guardas, um intenso combate se deu início, dizimando mais da metade das tropas espanholas. Hernan e alguns homens por fim conseguiram fugir, mas grande parte do tesouro saqueado foi perdido. Muitos acreditam que a população azteca o recuperou e o enterrou nas colinas para escondê-lo dos espanhóis. 

Cortés questionou seus homens e até chegou a retornar à cidade um ano depois, procurando vingança, mas nunca mais encontrou um traço sequer do tesouro perdido, que ainda pode estar por aí em algum lugar nas Américas, provavelmente sob muito barro e lama na Cidade do México.

Fonte: Discovery

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Dicas e sugestões serão bem vindas. Fique à vontade para comentar