domingo, 1 de junho de 2014

O homem mais duro de matar


Michael Malloy era um imigrante irlandês que vivia em Nova York em 1933. Ele havia sido um bombeiro, mas na época passava seu tempo como um indigente alcóolatra. Foi quando cinco de seus conhecidos resolveram colocar três apólices de seguro sobre ele e então matá-lo para ficar com o dinheiro.

Um dos envolvidos possuía uma loja ilegal de bebidas e deu uma conta infinita a Malloy na esperança de que ele morresse de tanto beber, mas ele continuava firme e forte mesmo após dias e dias mandando um drinque após o outro para dentro. Frustrado, o atendente do bar, que era outro dos conspiradores, passou semanas tentando envenená-lo com anticongelante, aguarrás e unguento de cavalo misturado com veneno de rato.

Quando nem mesmo ostras cruas marinadas em álcool de madeira funcionaram, o barman tentou servir sardinhas estragadas com raspas de tachinha de carpete, e mesmo assim o irlandês voltou para repetir o prato. Em uma noite fria, com a temperatura abaixo de 25ºC negativos, os conspiradores derrubaram Malloy em um banco de neve e jogaram água sobre seu peito nu, mas mesmo assim ele voltou firme e forte.


Desesperado, um deles tentou atropelar o irlandês com seu taxi e fez o homem voar por alguns metros antes de passar por cima dele na saída. O incidente o colocou no hospital por três semanas, mas ele voltou à loja ilegal falando estar “morrendo por um drinque”. Eles então esperaram que Malloy desmaiasse, prenderam uma mangueira à sua boca e a outra ponta a uma saída de gás, processo que ainda levou uma hora até que o homem finalmente morresse.

Os conspiradores poderiam até ter saído impunes dessa, mas acabaram chamando tanta atenção na briga pelo dinheiro dos seguros que a polícia acabou descobrindo tudo. Os cinco foram julgados e quatro deles foram condenados à cadeira elétrica. Todos morreram na primeira tentativa.

Fonte: Megacurioso

Um comentário:

Dicas e sugestões serão bem vindas. Fique à vontade para comentar