terça-feira, 4 de junho de 2013

O hospital abandonado onde as pessoas desaparecem



Moscou sempre atrai a atenção de milhões de habitantes de nosso planeta. Com certeza, toda pessoa que decide ir para a Rússia, visita esta enorme megalópole. É do conhecimento geral que Moscou conta com inúmeros monumentos arquitetônicos e lugares de interesse turístico, os quais simplesmente não se pode deixar de visitar. Mas também existem lugares que devem ser evitados, se você não desejar arriscar a própria vida, é claro.

Em qualquer cidade grande há lugares que gozam de má fama e inclusive famosos pelo desaparecimento de pessoas. O hospital abandonado de Khovrino, no norte de Moscou, é precisamente um desses tais locais. Alguns dizem que ele serviu de protótipo do centro médico recriado no filme hollywoodiano "O Hóspede Maldito" (Resident Evil), estrelado por Milla Jovovich, no qual se realizavam experiências com vírus terríveis; outros estão certos de que é o principal local místico da capital russa; e, finalmente, há também entusiastas que insistem em ser um portal de entrada para o mundo paralelo. 

Seja como for, há uma coisa absolutamente incontestável: ao longo de muitos anos, multidões de curiosos são atraídos por esse lugar, e muitos deles, ao ingressar no hospital abandonado, nunca mais conseguem sair.

No início da década de 1980, em Kovrino foi começada a construção de um grande hospital multifuncional. Um edifício de 11 andares deveria sediar o centro de saúde regional que possuiria 1.300 leitos, pessoal altamente qualificado e equipamento médico mais sofisticado. Contudo, os planos estavam condenados ao fracasso. 

Cinco anos mais tarde, quando todas as instalações hospitalares já estavam quase prontas, o projeto foi congelado por tempo indeterminado. Segundo a versão oficial, isso aconteceu por causa de erros cometidos durante a prospecção geológica ainda na fase de desenvolvimento do desenho. Posteriormente verificou-se que o solo não era suficientemente sólido, e o edifício começou a afundar pouco a pouco. No presente momento, o primeiro andar já se encontra completamete debaixo da terra e o porão todo está inundado por água.

O prédio do nosocômio não foi derrubado… Nos 28 anos subsequentes, ele se converteu não só em refúgio de satanistas, vagabundos e psicopatas, mas também em lugar de peregrinação de stalkers e fãs do turismo radical. Eis o que relatou um praticante do turismo industrial, Danila Veletsky:


“Eu moro quase a dois passos do hospital de Khovrino. Quando peguei a paixão pelo turismo industrial, as ruínas de nosso hospital foram, naturalmente, a primeira instalação que examinamos com a turma. Para dizer a verdade, eu não sou rapaz temeroso, mas lembro minhas primeiras impressões como se fosse ontem. O percebia com cada célula de minha pele… Não sei como expressá-lo… Como se alguém me estivesse espreitando da escuridão. E o ar, denso e pegajoso, me deprimia pesando sobre todo o corpo. Por fim, uma energética negativa. Não, é claro que, eu não acredito em fantasmas hospitalares que protagonizam boatos e estórias locais. Nunca os vi. Os sem-teto, sim, às vezes os deparamos. Um par de vezes topamos também com os satanistas. Celebravam aí quaisquer cerimônias, com velas acesas. Pois, nada mais que isso. O edifício fica já bastante arruínado, os poços de elevador estão abertos. Ouvi falar que dentro em breve vão derrubá-lo. Espero que na verdade seja assim. Um conhecido meu morreu aí por dar um passo em falso e cair no poço. Em resumo, é um lugar sinistro. Eu não aconselharia ir para lá sem prévia preparação e equipe.”


Hoje em dia, o prédio do hospital permanece sob vigilância. O terreno foi fechado por cerca de arame, mas as multidões de curiosos em visitar a “morada do mal” moscovita não se esgotam com o passar do tempo. A despeito de tudo, as pessoas encontram ou abrem buracos no cercado para entrar. Porém, às vezes não conseguem encontrar o caminho de volta.

Fonte: Voz da Rússia

Um comentário:

  1. Muito bom post, me fez lembrar de um filme, o hospital maldito.

    ResponderExcluir

Dicas e sugestões serão bem vindas. Fique à vontade para comentar