quinta-feira, 27 de junho de 2013

Água do lago Vostok poderá explicar origem da vida

Lago debaixo do gelo da Antártida pode explicar origem da vida

Cientistas russos obtiveram a primeira amostra procedente das águas do lago Vostok, localizado a quatro quilômetros de profundidade sob a superfície do gelo da Antártida. É o maior reservatório de água doce do continente mais austral. De acordo com previsões de peritos, o gelo do Vostok pode possuir propriedades físicas especiais.

Calcula-se que o Vostok seja o maior das várias centenas de reservatórios de água existentes por baixo do gelo da Antártida. Sua superfície de mais de 15 mil quilômetros quadrados é um pouco menor do que a do Ladoga, o maior lago da Europa. Há vários milhões de anos que o Vostok está isolado da atmosfera terrestre. Atualmente, o lago jaz coberto por uma camada de gelo cuja espessura varia de 3.700 a 4.200 metros.

No dia 10 de janeiro passado, os membros da expedição antártica russa obtiveram a primeira amostra de gelo do lago. Por enquanto, os cientistas não podem dizer exatamente que propriedades tem o gelo proveniente de grandes profundidades. É que as amostras obtidas na Antártida serão transportadas para “terra firme” a bordo do navio da expedição científica Akademik Fiodorov, que atracará em São Petersburgo só em meados de maio.

As amostras serão analisadas em laboratórios microbiológicos e químicos, diz o chefe da expedição antártica russa do Instituto dos Estudos Árticos e Antárticos, Valeri Lukin, e continua: “No âmbito das ciências biológicas, nós estudamos a biodiversidade de um fenômeno natural absolutamente desconhecido - o lago Vostok. Antes ninguém no mundo tinha retirado amostras de água deste lago. Se encontrarmos alguns microrganismos nelas, obteremos, provavelmente, novos dados relativos a vias de evolução diferentes, porque se trata de um meio natural não existente em mais nenhuma parte de nosso planeta”.

                        

A análise da água (entretanto congelada ao ser retirada) poderá fornecer resultados excecionais, possibilitando lançar um olhar retrospetivo sobre o passado da Terra, sobre o que existia há a centenas de milhares de anos.

A vice-diretora do Instituto Limnológico da sucursal siberiana da Academia das Ciências da Rússia, Tamara Khodjer, refere:
“O exame de lagos similares, localizados sob uma cobertura de gelo, oferece-nos a possibilidade de fazer comparação com o que há em Marte. É que, segundo uma hipótese, em Marte existe uma camada de gelo, e no Planeta Vermelho, realmente, têm sido detetadas algumas moléculas de água. Isto quer dizer que o lago subglacial poderá nos ajudar a articular hipóteses referentes à origem da vida em outros planetas do Sistema Solar”.
A análise da água será capaz de dar resposta a uma outra interrogação não menos importante, isto é, sobre os antigos microrganismos que outrora existiram no nosso planeta. Por enquanto, não há provas de existência de vida no lago Vostok. No entanto, muitos estudiosos julgam que a água por baixo da espessa camada de gelo pode ser habitada por microrganismos.

Tamara Khodjer preconiza que, ao longo de milhões de anos, o lago Vostok tem estado isolado em relação ao meio externo. “Resultados de análises químicas da composição da água do lago nos aproximarão da reconstrução do paleoclima. Provavelmente, serão detetadas formas primitivas de vida”.

 A Antártida ainda possui um sem-número de enigmas. Os cientistas russos já avançaram muito na revelação dos segredos do maior lago subglacial. Agora, a tarefa mais importante consiste em proteger da contaminação os dois metros da amostra de gelo transparente obtido no Vostok e levá-lo para a Rússia. Em seguida, serão os cientistas a ter a palavra.

Fonte: Voz da Rússia

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Dicas e sugestões serão bem vindas. Fique à vontade para comentar