sábado, 25 de maio de 2013

Médicos russos conseguem ver o interior do cérebro em atividade




Os médicos russos poderão agora estudar o cérebro humano com o recurso a campos eletromagnéticos. Esse método poderá ajudar a tratar doenças como a epilepsia e a doença de Parkinson.


O Centro de Estudos Neurocognitivos da Universidade de Psicologia Pedagógica de Moscou é um laboratório único na Europa de Leste. É um espaço pequeno que tem no seu centro um sistema de aparelhos de diagnóstico com o nome de código "capacete". A pessoa se senta numa cadeira, coloca o "capacete" na cabeça e o operador "vê" literalmente no seu computador o que se passa na sua cabeça.


O vídeo na tela do computador parece a transmissão de uma espaçonave. Só que quem lá trabalha não são cosmonautas, mas sim psicólogos investigadores. De resto, a sua missão não é por isso menos importante. Eles procuram a localização de patologias que provocam diversas doenças psíquicas e neurológicas. As profundezas do cérebro são estudadas com a ajuda de um aparelho de eletroencefalograma especial, refere a diretora do Centro de Estudos Neurocognitivos da Universidade de Psicologia Pedagógica de Moscou Tatiana Stroganova:


"O aparelho mede a atividade magnética das células do cérebro. Quanto as células estão a trabalhar, elas geram à sua volta um campo elétrico".


O aparelho de encefalograma eletromagnético funciona por analogia com o aparelho de TAC (tomografia axial computadorizada), mas tem diferenças significativas. O TAC submete o cérebro à ação de um campo magnético, enquanto o aparelho de eletroencefalograma magnético regista as fracas perturbações do campo magnético que ocorrem quando o cérebro está a funcionar.


O aparelho de encefalograma eletromagnético é um aparelho extremamente sensível e, para que a radiação natural da Terra não influencie o sistema, o aparelho foi colocado numa câmara blindada especial.


O novo método de diagnóstico já foi testado em doentes com epilepsia que não reagiam positivamente à terapêutica com medicamentos. Ou seja, a perspetiva era uma operação para a remoção da zona do cérebro responsável pelos ataques, explica Alexandra Koptelova, investigadora do Centro de Estudos Neurocognitivos da Universidade de Psicologia Pedagógica de Moscou:


"Os médicos conseguiram ver que o foco da atividade epilética estava localizado em vários sítios. Se isso não tivesse sido detetado, era possível que depois da intervenção cirúrgica o paciente não se liberasse desses ataques".


O mesmo método pode detetar a origem de outras doenças graves como a esquizofrenia, a doença de Alzheimer e o autismo.


Os cientistas russos pensam que a nova aparelhagem poderá ajudar os neurofisiologistas, num futuro próximo, a começar a investigar o subconsciente.


Fonte: Voz da Rússia

3 comentários:

  1. É a sociedade cada vez mais avançada.

    ResponderExcluir
  2. Já podemos ver o interior do cérebro em atividade... Mas, ainda não temos uma vacina 100% eficiente contra a gripe: Quanta ciência, quanta ignorância!

    ResponderExcluir
  3. Já podemos ver o interior do cérebro em atividade... Mas, ainda não temos uma vacina 100% eficiente contra a gripe: Quanta ciência, quanta ignorância!

    ResponderExcluir

Dicas e sugestões serão bem vindas. Fique à vontade para comentar