domingo, 17 de fevereiro de 2013

O CIRCO DOS HORRORES


               


Sim, o Circo Dos Horrores existiu, e foi muito popular nos Estados unidos entre 1840 até 1970. Ele tinha como atração principal, pessoas deformadas e com anomalias. Alguns shows também exibiam animais deformados (como uma vaca de duas cabeças, um porco de um olho só e cabras com quatro chifres).
  Mudanças na cultura popular e entretenimento levaram ao declínio do Show de Horrores, isso por que as anomalias e deformidades foram simplesmente explicadas, cientificamente, como mutações genéticas ou doenças, e as “aberrações” como eram conhecidos se tornaram objetos de simpatia ao invés de medo ou desprezo. Nos séculos anteriores, estas foram algumas das atrações dos circos dos horrores espalhados pelo mundo.
Segue abaixo uma lista com algumas informações imagens dessas pessoas:




10. Joseph Merrick – “O homem elefante”.
    Nascido em 1862, Joseph Merrick desenvolveu um transtorno físico que fez com que seus membros crescessem mais do que o normal desde os cinco anos de idade. Ele iniciou-se como uma das atrações do circo em 1884, onde foi muito bem tratado e recebeu uma grande soma em dinheiro. Um médico que visitava o circo o viu e fez alguma sugestões para que ele pudesse viver uma vida melhor. Hoje sabe-se que Joseph Merrick sofria de uma doença chamada síndrome de Proteus e não elefantíase como cogitava-se na época. Merrick morreu com 27 anos, de asfixia enquanto dormia. 



9. Juan Baptista dos Santos – “O homem com dois pênis”.
  Jean (ou Juan) Baptista dos Santos, nasceu em Faro, Portugal em 1843, de pais normais com outros dois irmãos também normais. Em 1865 recebeu um montante de 200 mil francos para aparecer durante dois anos com um circo francês. Ele possuía dois pênis funcionais e três sacos escrotais, dois deles continha um único testículo. Dos Santos alegava que os sacos escrotais também tinham um par de testículos cada, completamente formados, mas estes tinham recuado em seu abdômen quando ele tinha 10 anos de idade.




8. Myrtle Corbin – “A menina de quatro pernas”.
 Josephine Myrtle Corbin nasceu em Lincoln County, Tennessee, em 1868. Ela nasceu com duas pernas ao lado da cintura. As pernas extras faziam parte de um gêmeo que não se dividiu corretamente, como no caso de Frank Lentini com sua terceira perna. Josephine disse que podia mover suas pernas adicionais, mas elas eram demasiadamente fracas para caminhar. Ela teve quatro filhas e um filho.






7. Mademoiselle Gabrielle – “Mulher pela metade”.
    Nasceu em Basiléia, Suíça, em 1884. Gabrielle Fuller aderiu ao circo na Exposição de Paris, em 1900. Apesar de sua deficiência, ela foi casada por duas vezes. Ela era perfeitamente formada na parte superior do corpo, mas não tinha a parte inferior dele.










6. Mary Ann Bevan – “A mulher mais feia do mundo”.
  Mary Ann Webster nasceu em Londres, Inglaterra, em 1874. Ela trabalhou como enfermeira e em 1903 casou-se com um comerciante chamado Thomas Bevan. Pouco tempo depois de casar, Mary Ann começou a apresentar sintomas da acromegalia, uma forma progressiva de gigantismo, que provoca o crescimento anormal e distorção das características faciais, bem como dores de cabeça, falta de visão e dores musculares.







5. Martin Laurello – “O homem coruja”.
 O homem coruja, Martin Laurello Emmerling Martin, nasceu em Nuremberg, na Alemanha em 1886. Ele começou a se apresentar na Europa aos 20 anos e foi para a América em 1921. Ele apareceu diversas vezes em Staten Island e trabalhou também para Airlines Bros Barnum & Bailey’s circo.










4. Clofullia – “A mulher barbada de Genebra”.
  Madame Clofullia nasceu na Suíça. Ela já nasceu com pelos no rosto e aos oito anos de idade já possuia duas polegadas de barba. Aos 14 anos ela começou sua turnê na Europa, no início acompanhada por seu pai e um agente e, logo depois, somente com seu pai. Em Paris ela conheceu o pintor Fortune Clofullia e eventualmente casou-se com ele. Ela ganhou grande fama quando moldou sua barba imitando a de Napoleão III. Como “presente”, o governante deu-lhe um enorme diamante. 









3. Lionel – “O garoto leão”
Stephan Bibrowsky nasceu na Polônia em 1890, de pais normais. Ele sofria de hipertricose, uma doença genética rara que cobre a totalidade do corpo do indivíduo com pêlos espessos. Apenas cerca de 50 casos da doença foram documentados desde a Idade Média. No caso de Lionel, seis polegadas de cabelo cresceram, incobrindo todo seu corpo. Ele foi descoberto por um homem chamado Meyer quando tinha somente quatro anos e tornou-se famoso em toda a Europa, onde ganhou o apelido de Lionel, o Garoto Leão. Longe de ser exibido como uma besta, ele usava frequentemente a melhor roupa nas apresentações e fazia questão de mostrar o quanto era inteligente e agradável. Stephan falava fluentemente cinco idiomas.




2. Wang – “O homem unicórnio”. 
    Em 1930, um agricultor chinês de Manchukuo foi descoberto por um banqueiro russo. O russo resolveu tirar uma fotografia do homem e enviar para Robert Ripley de “Acredite se Quiser”. Conhecido apenas como Wang, o agricultor era normal em todos os aspectos, salvo o fato de que ele possuia um chifre de 14 polegadas na parte de trás de sua cabeça. Wang tornou-se um caso à parte, pois Ripley ofereceu uma enorme recompensa em dinheiro para quem o conduzisse para uma aparição em público. Contudo Wang desapareceu da opinião pública no início dos anos 30 e nunca mais foi visto.





1. Ella Harper – “A mulher camelo”.
    Este é um trecho de um texto escrito por Ella Harper’s em uma foto. A carta fazia parte de um folheto promocional do circo:
“Eu sou chamada de menina camelo porque meus joelhos são voltados para trás. Consigo andar melhor usando minhas mãos junto com meus pés, como você pode ver na imagem. Tenho viajado constantemente para me apresentar e tenho a intenção de parar os shows e ir para a escola ou procurar outra ocupação”




Veja mais algumas fotos dessas e de outras pessoas:





 




                              


                            


Fonte: Estranho Universo

Um comentário:

Dicas e sugestões serão bem vindas. Fique à vontade para comentar